Crónica
Em Destaque

Um ministro no colóquio sobre línguas

            Primeiro, é preciso dizer que um colóquio não é uma coisa coloquial nem uma coisa breve, embora possa ser divertido e encurtado no tempo se tivermos oradores com boas qualidades de oratória, escuta e que sejam bons comunicadores da ciência em que se graduaram, mas parece que esses indivíduos escasseiam, enquanto abundam os magníficos leitores de discursos previamente preparados com o único objectivo de adormecer a audiência. Mas, mesmo com esses, talvez pudéssemos encurtar o colóquio se não nos dessemos o trabalho de ler os seus currículos com mais de cem páginas – um acto obviamente panfletário – em que podemos atestar que alguns dos nossos mais qualificados professores, entre licenciaturas, mestrado e doutoramento, ganharam títulos, mas perderam qualidades.

Claro que qualquer escritor reconhece a importância de um título, mas, quem gosta mesmo de um título são as editoras e nelas, os criativos da PU-BLI-CI-DA-DE. Pouco me importa o título “Os ângulos da casa”, do livro da Hirondina Joshua. Importa mais os cómodos dessa casa e importa mais ainda a possibilidade de estender um lençol sobre uma esteira na varanda da casa. Parece-me que nisto dos títulos têm sorte os políticos, pois quando os chamam ao púlpito é sempre com a fórmula “agora temos a honra de convidar o sr. Ministro a tecer algumas palavras” ou “convidamos o sr. Ministro a proferir o discurso de abertura”. Ninguém perde tempo a dizer que o ministro foi reitor da universidade x, que tem um doutoramento na universidade de y ou z nem que disse, na televisão pública, que perto de quatro mil professores não sabem ler nem escrever, como confirma o semestre propedêutico para estudantes de países africanos de língua oficial portuguesa.

E o ministro, muito alto, com a barriga saliente e visivelmente calvo, com papéis na mão, dirige-se ao púlpito e diz que não vai proferir nenhum discurso político. Louvada iniciativa… vai, em vez disso, dar uma aula magna e deu uma aula sobre as razões de conceder às línguas bantu um estatuto político. Falou muito. E bem. Mas disse também que quer formar opinião entre a civil sociedade civil sobre o assunto da sua aula e que quer contar com o seu apoio para levar à discussão no parlamento. Um perdoado pecado, pois, como disse Cristo, ele não sabe o que diz, e como sabem todos os juristas, ele é o ministro da cultura num país das maravilhas, onde o ministro apesar de gozar de bom salário é mero “auxiliar do titular do poder executivo”.

Por Jorge Pimentel

Todas as novidades no seu email!

Fernando Chaúque

FERNANDO ABSALÃO CHAÚQUE Licenciado em Ensino de Língua Inglesa pela Universidade Pedagógica de Maputo, é professor de profissão. É também escritor, autor do livro “Âncora no Ventre do Tempo” (2021), Prémio Literário Alcance Editores, edição de 2019, e co-autor das seguintes obras: “Barca Oblonga” (editora Fundza, 2022), “Mazamera Sefreu” (editora Kulera, 2023) e “Atravessar a pele” (Oitenta Noventa, 2023). Fez parte dos livros “Os olhos Deslumbrados” (FFLC, 2021); “Um natal experimental e outros contos” (Gala Gala edições, 2021).

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo